O tema da autoregulamentação foi um dos mais abordados durante o Congresso Mundial de Vendas Diretas, especialmente no debate com Stakeholders Externos, quando autoridades mundiais e executivos das Vendas Diretas trataram das principais questões do setor, como governança e parcerias público-privadas para promover a proteção do consumidor e o crescimento do negócio.

Foram apresentadas diferentes visões sobre o que está acontecendo com a Venda Direta na Rússia, China, Colômbia e em outros mercados, mas ninguém estava se manifestando sobre os riscos das fraudes globais.

Então, eu quis saber como a WFDSA pretende combater esses “negócios” como Zeek Rewards e Telexfree, que se instalam em um País, operam virtualmente e promovem golpes além de suas fronteiras.

Joe Mariano, atual Presidente da DSA nos Estados Unidos, respondeu que eles acompanharam a crise das pirâmides no Brasil, passaram as orientações necessárias para o nosso governo e devem criar uma rede de informações entre as associações de todo o mundo, para atuar com mais agilidade nesses casos.

Joe também aproveitou para reforçar vários conceitos que diferenciam uma operação legítima de Vendas Diretas, dos esquemas ilusórios.

O mais importante é que toda bonificação deve ser baseada em produtos destinados ao consumo de clientes finais ou revendedores, como sempre afirmamos. Além disso, deve-se evitar bônus e estímulos excessivos sobre pedido de ativação, que induzem ao recrutamento irresponsável.